Em uma missão para construir ventiladores que salvam vidas

Quando sua cunhada sofreu falência múltipla de órgãos e não conseguia respirar sozinha, Gabriella Gabrielsson decidiu que, de alguma forma, precisava contribuir para salvar vidas. Conheça a colaboradora da Getinge, cuja missão é construir ventiladores que fornecem suporte de vida a pacientes críticos, todos os dias.

Gabriella 1200x627

Foi um dia pela manhã, sete anos atrás, que Gabriella Gabrielsson recebeu a ligação: sua querida cunhada entrou em coma repentinamente devido a uma falência múltipla de órgãos.

“Ela tinha apenas cinco por cento da funcionalidade do coração. Ela foi tratada com oxigenoterapia por membrana extracorpórea (ECMO) e estava em ventilação, pois não conseguia respirar por conta própria”, lembra Gabriella.

As próximas duas semanas foram algumas das mais difíceis da vida de Gabriella, indo e voltando entre esperança e desespero.

“Sem o ventilador mecânico, ela não teria sobrevivido. Isso significou muito para todos nós, e eu percebi o quão crucial pode ser para manter a vida”, explica Gabriella.

E isso fez  diferença, uma enorme diferença. A cunhada de Gabriella finalmente acordou do coma.

“Ela ainda teve que passar por muitas etapas de recuperação, pois descobriram que a falência múltipla de órgãos era causada por uma doença rara e difícil. Mas o período mais crítico acabou ”, diz Gabriella.

Alguns anos depois, quando havia uma vaga na fábrica da Getinge em Solna, Suécia, Gabriella não hesitou.

“É aqui que os ventiladores para cuidados intensivos chamados Servo estão sendo construídos, com modelos que abrangem todos os tipos de categorias de pacientes. Adoro desafios e me inscrevi para o trabalho. Felizmente eu consegui!

Hoje, Gabriella trabalha na Getinge há mais de três anos e adora o que faz.

"Construímos máquinas do início ao fim que salvam a vida das pessoas. Considerando isso, eu tenho o melhor emprego do mundo. Ao montar os ventiladores, sempre me lembro da minha cunhada, como ela lutou por sua vida com o apoio desta máquina. O ventilador a salvou e hoje ela está bem.

Gabriella acrescenta:

“Os ventiladores podem ajudar tantas pessoas e, agora, nos tempos difíceis do coronavírus, quando as pessoas precisam de terapia intensiva, esse trabalho é ainda mais crucial. Há uma grande demanda por ventiladores e fazemos todo o possível para manter a velocidade e realizar o trabalho aqui na fábrica, para que mais pessoas possam obter a ajuda de que precisam para sobreviver. ”

Saiba mais sobre os ventiladores de cuidados intensivos, fáceis de usar da Getinge, com ferramentas para reduzir complicações e auxiliar para que o desmame ocorra mais cedo durante a ventilação invasiva e não invasiva; da UTI ao atendimento intermediário; e para todas as categorias de pacientes: https://www.getinge.com/int/products/hospital/mechanical-ventilation/?source=getinge.com/br